Celebs | Sua Honra: Bryan Cranston suja as mãos novamente pelo bem de sua família
Topo
Por Redação Celebs / Publicado quarta-feira, 30 dez 2020 11:27

Sua Honra: Bryan Cranston suja as mãos novamente pelo bem de sua família

americanas.com.br

Você se tornaria um criminoso para salvar a vida de seu filho? Você mentiria sobre isso? Você destruiria as evidências? Você machucaria ou mataria outras pessoas por isso? Na nova série Sua Honra da Showtime, Cranston está mais uma vez praticando crimes “pelo bem de sua família”, como fez como Walter White em Breaking Bad.

Bryan Cranston, desde que largou o giz como professor de química e produtor de metanfetamina, não encontrou realmente seu lugar na tela. Depois que Breaking Bad acabou, o público previu uma carreira de mais qualidade para ele. Não se sabe por que foi esse o caso, mas é provável que ele tenha retornado a um terreno familiar com sua última série.

No primeiro aniversário da morte da esposa de Michael (Cranston), seu filho adolescente Adam, em um estado emocional infeliz e intensificado, atropela um jovem motociclista com sua mesma idade durante uma crise. Adam, em estado de choque, acaba não ajudando a vítima moribunda, que logo se sabe fazer parte da máfia local de Nova Orleans, Jimmy Baxter. Quando Adam volta para casa, ele conta a seu pai o que aconteceu, que, por medo de vingança, decide tentar proteger seu filho da justiça.

A diferença é que Michael é um juiz, então por um lado ele está profundamente enraizado entre os juízes e investigadores da cidade e, por outro lado, ele está agindo em completa oposição ao seu senso de dever e vocação. Esta luta é bem definida na atuação de Cranston.

Sua Honra

Legenda

Assim como a dupla pai e filho tenta se sobresair na zona cinzenta entre a máfia e o poder do Estado, nossos protagonistas não se movem moralmente no terreno preto e branco, pois o espectador pode facilmente desculpá-los com base em sua história de vida anterior ou nas circunstâncias do acidente. Os lentos episódios de uma hora seguem principalmente o ritmo dos thrillers clássicos: aos poucos, o castelo (ruínas) construído por nossos protagonistas a partir de mentiras começa a se quebrar em cada vez que mais pontos vão sendo acrescentados, para os quais mais mentiras costumam ser a solução.

O maior perigo inerente ao gênero é se nossos protagonistas passarão por muitas e muitas armadilhas para prolongar a trama, apenas para arrancar o provável encerramento em que alguém certamente terá que pagar pelo assassinato. A partir da segunda parte, a série tenta contornar essa dificuldade com caminhos secundários, como o garotinho negro que aparece no citado episódio, que entra em cena, como um suspeito inocente.

Por meio dela, Michael passa a tematizar a desigualdade de negros e brancos perante a lei, que tem sido tema de inúmeros documentos e filmes recentemente, mas talvez não seja exagero dizer que ainda tem um valor representativo. Claro, não há nada de novo sobre o assunto, mas o ponto aqui é que ele não trata a minoria afro-americana coletivamente como um criminoso ou como uma congregação de inocentes.

Em Vossa Honra, em geral, dá a impressão de um trabalho exigente, mas com certeza valerá a pena por Cranston, mas nada perto de Breaking Bad. Uma vez que estamos apenas a um quinto da história e já há sinais de uma distorção do tempo e uma quantidade exagerada de chance, infelizmente, teme-se que, no meio da temporada, eles atinjam níveis insuportáveis. O fator de estresse, que ainda está em pleno andamento na primeira parte, diminui completamente com o tempo devido ao gerenciamento de ação artificialmente desacelerado e supercomplicado, de modo que o que resta no final não será mais o que achávamos no início.


É permitida a reprodução desde que de forma individual (não de todas as matérias), citado o autor, a fonte (Site Celebs.com.br) e créditos de fotos.


Oakley BR